oftalmologista-em-bh

3 razões para consultar um Oftalmologista antes da visão embaçar

Consultar um oftalmologista anualmente é fundamental para manter a visão saudável. Muita gente pensa que o oftalmologista deve ser consultado apenas em caso de perda ou embaçamento visual, mas a grande verdade é que a oftalmologia é uma especialidade de fundamental importância preventiva.

 

Pense: você conhece algum ex-cego? Alguém que não enxergava absolutamente nada… e depois voltou a enxergar? Tirando o milagre citado na bíblia… também desconheço um caso como esse. Logo, vale a máxima: é melhor prevenir do que remediar!

 

No artigo de hoje, separei pra vocês 3 casos em que doenças podem comprometer e muito a saúde ocular… sem que você sequer perceba que isso está acontecendo. Ou seja: 3 motivos pelos quais você deve consultar um oftalmologista antes de sentir qualquer alteração na visão.

Se estiver em Belo Horizonte, visite nossa clínica de olhos e evite esses problemas!

#1  Glaucoma – vilão silencioso que depende do oftalmolgista

 

Sim, ele! O glaucoma é uma doença progressiva (ou em outras palavras… uma doença que só avança, e nunca recua) que causa uma perda de visão lenta e gradual.

Geralmente (na enorme maioria das vezes), está associada ao aumento da pressão dos olhos. Esse aumento de pressão vai, ao longo dos anos, danificando as fibras nervosas do nervo da visão que, aos poucos, vai perdendo a capacidade de levar as informações dos olhos até o cérebro. Assim, a visão começa a apresentar falhas.

Tudo bem… mas por que ela não dá sintomas?

Primeiro porque, ao contrário do que muitos pensam, a elevação da pressão ocular para níveis moderados (20 a 30, por exemplo), acontece sem qualquer sintoma associado. Não dá dor de cabeça, não dá “sensação de peso ou pressão nos olhos”… absolutamente nada disso. Ou seja… a pressão pode estar elevada e você pode pensar que está tudo bem… quando na verdade ela já está lá, diariamente, danificando o nervo óptico. Apenas um oftalmologista bem treinado é capaz de detectar essa alteração.

O segundo motivo é que o glaucoma possui uma característica devastadora: ao invés de danificar a visão central, que usamos para focar em um objeto, o glaucoma danifica a visão periférica. Escrevi um artigo que explica melhor sobre isso, e você pode acessar no link abaixo:

Como o glaucoma afeta a visão?

Muitas vezes, perdas de grande parte do campo visual não são percebidas, pois um olho acaba ajudando o outro e o simples movimentar da cabeça também acaba nos auxiliando a ver melhor as regiões que o glaucoma danificou.

O fundo de olho e medida da pressão intraocular são exames fundamentais em todas as avaliações oftalmológicas e recomendamos que seja feito anualmente, em todas as idades.

Portanto, não espere por sintomas para procurar seu oftalmologista, ok? Vamos ao próximo motivo!

 

#2 Doenças de retina – a importância dos exames que faz o oftalmologista

 

A retina é a parte do olho que contém os neurônios que transformam a luz em estímulos elétricos, que serão conduzidos até o cérebro para serem interpretados como o que chamamos de visão.

Fato é que, para a visão focada, utilizamos apenas uma pequena região da retina, chamada de mácula. Quando você mira um objeto, significa que você inconscientemente está direcionando sua mácula para aquela posição.

Quando algum problema acomete a mácula, notamos de imediato: o centro da visão se altera. No entanto, quando algum problema acomete a retina fora da mácula… geralmente não conseguimos perceber!

Várias são as doenças que podem acometer a retina nessas áreas periféricas e que são gravíssimas para os olhos: imagine, por exemplo, um buraco na retina; ou mesmo um descolamento da retina, que não acomete o centro.

Essas lesões ficam paradinhas, causando poucos ou mesmo nenhum sintoma, e podem evoluir para descolamento total de retina, da noite para o dia.

Portanto, nas avaliações periódicas, o oftalmologista checa toda a retina em busca de lesões que possam colocar em risco a sua visão. O buraco e a rotura são apenas alguns exemplos… existem mais de mil outras alterações retinianas que começam também sem sintomas… portanto… coloque seu checkup oftalmológico em dia!

 

#3 Doenças sistêmicas acometendo os olhos

 

Os olhos, como parte integrada do nosso corpo, também estão sujeitos ao acometimento por doenças que atacam outros órgãos. Não pense, aqui, que estou falando em doenças raras ou alterações muito graves e complexas: hipertensão arterial, diabetes, artrite reumatóide e diversas outras enfermidades têm a capacidade de acarretar lesões oculares que podem começar sem sintomas.

Veja o exemplo do diabetes: quando a glicose começa a se elevar, em geral, não temos sintomas. Esse quadro pode permanecer inalterado por anos. No fundo do olho, no entanto, o aumento de glicose começa a lesionar pequenos vasos sanguíneos que passam a apresentar dilatações (aneurismas microscópicos) e hemorragias.

 

diabetes no olho, retinopatia diabética

E o problema está justamente aí: enquanto essas lesões ficam fora da mácula… não temos sintomas! Ou seja… é possível o surgimento de lesões graves e hemorragias importantes no fundo de olho sem que o paciente perceba absolutamente nada, principalmente se tiver uma boa visão!

O oftalmologista é um profissional que passou por 6 anos de formação em medicina e depois mais 3 para se especializar em oftalmologia. Não se engane: visão embaçada nem sempre é falta de óculos e precisa de uma avaliação especializada!

 

Esses foram apenas 3 exemplos de uma infinidade de casos que podem acometer a saúde ocular sem que você perceba.

A consulta regular com o oftalmologista é fundamental para checar se as estruturas oculares estão saudáveis e para tratar as primeiras alterações quando essas lesões aparecem.

Como regra, recomenda-se o exame oftalmológico anual, de rotina: uma vez ao ano é importante marcar o oftalmologista! Portanto, se seu exame não está em dia, agende uma consulta com o seu oftalmologista ou marque uma avaliação em nossa clínica! Será sempre um prazer atendê-lo!

Até o próximo artigo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe